sábado, 10 de novembro de 2007

Alma



Nem sempre são os anos que mais pesam…
Ou a enfadonha rotina diária que nos emudece…
Nem é sequer o peso da vida que nos vence…

Há quem viva… há quem vá vivendo…
Fardos mais leves… ou mais pesados…
Há quem fique agrilhoado ao passado…
Há quem viva apenas o presente…
Há quem exista na ilusão do futuro…

Mas, de todos os pesos, de todos os fardos…
De todos os negrumes que nos invadem…
De todas as ventanias que nos abalam…
Maior de todos é o peso da alma…
Que rasgada, torturada, mas também infinda…
Guarda em si toda uma vida, todas as imagens…
Todos os sons, todas as chegadas, todas as partidas…

Tem a alma a triste tarefa de fazer sorrir, de fazer chorar…
De lembrar que do Passado fizemos um novo Presente…
Para podermos querer um outro Futuro…
Dividida em farrapos mil ou em sorrisos de prata…
A ela cabe em todas as fracções do tempo…
Dobrar o cabo das tormentas dos sentires…
Vencer um eterno Adamastor que nos aflige…
Ser o papel principal do nosso Eu…
Ser ela a fiel guardadora do que somos…
A dor de ser a mãe de todas as dores…
Um pranto banhado por Sol e brumas…
Um mar de chamas que nos queima as entranhas…
Um firmamento de estrelas perdidas…
Um olhar que nos leva sempre mais longe…
Uma noite de profundo breu e gelo… ou…
Uma vereda florida e perfumada…
Onde suaves cânticos nos embalam…
Mitigando-nos parcamente os lamentos…

E ainda que cansada, exangue e ferida…
Guerreira de todas as batalhas perdidas ou vencidas…
Fortaleza que ergue ou derruba as muralhas do silêncio…
Cabe à alma… ser a Alma de todas as coisas…







Música fanada ao Mano Azul, Excelsior,

com pré-aviso e devida licença (*)

9 comentários:

AnaLua disse...

Que lindo poema! Minha alma é tão pesada, carrega todos os meus anseios, meus medos e paixões...

Um grande beijo!

rosa dourada/ondina azul disse...

Venho desejar-te uma boa semana com muitas coisas boas a acontecerem...!!!

Beijinho,

Maria Clarinda disse...

"E ainda que cansada, exangue e ferida…
Guerreira de todas as batalhas perdidas ou vencidas…
Fortaleza que ergue ou derruba as muralhas do silêncio…
Cabe à alma… ser a Alma de todas as coisas… "

Maravilha de poema com uma foto soberba. Jinhos mil

Isa disse...

aqui vai uma critica...

muitos parabens.. a meu ver, melhoras de dia p dia a tua escrita e a tua postura aqui pelo teu cantinho..

beijo e boa semana ´*`

kakauzinha disse...

Analua,

Sejas muito bem-vinda ao meu cantinho e muito obrigada pelo teu comentário.

Beijinhos azuis de chocolate*****



Rosa Dourada,

Uma semana óptima também para ti e um grande beijinho******


Maria Clarinda,

Agradecida pelas lindas palavras. Um grande beijinho************


Linda Isa,

Muito obrigada pela sinceridade. Tal como digo aqui, podes criticar à vontade e apontar o que gostas e não gostas. Bem hajas!

Beijinho grande********

veni_vidi_scribi disse...

"A ela cabe em todas as fracções do tempo…
Dobrar o cabo das tormentas dos sentires…
Vencer um eterno Adamastor que nos aflige…"

O teu poema demonstra o eterno Descobrimento das profundezas da Alma...

Muito bonito... como a tua alma :)

Beijos

kakauzinha disse...

Linda menina dos bonés,

Os anos ensinam-nos, mostram-nos os segredos da alma, num eterno descobrimento.

Beijinhos grandes********:)))))

Excelsior disse...

A Alma...

...repositório de tudo o que fomos...

...caminho de regresso, para aquilo que agora somos...

...chave, portal, para tudo o que seremos...

...quando, naquele momento que quando alcançado, é tão perene, e ao mesmo tempo tão fugaz...

...tudo o que vivemos...

...se centra num e apenas num Sentir Exultante...

...do mais calmante dos bálsamos...

...do mais reconfortante dos néctares...

...de Absoluto Regresso a Casa.

...

(Beijinho muito grande, linda Mana Azul.)

kakauzinha disse...

Querido Mano Azul,

Um dia será... o Regresso a Casa... no tempo devido.

Beijinho azul*