sexta-feira, 31 de agosto de 2007

Cloud Dancing


E porque há tristezas que se atenuam com gestos…

Porque os Amigos dizem… “Eu estou aqui”…

Porque Tu existes e vens ter comigo…

Porque me falas de saudades… tuas… de mim…

Porque gostas e sei que também estás aí…

Porque não me esqueces… nem eu te esqueço…

Porque o tempo passa… e tu vais ficando…

Porque também eu vou ficando…aqui…



Por tudo isto volto a escrever…

Um pouco mais sossegada… menos perdida…

Esboçando um sorriso para todos os que me querem Bem…



E para Ti… que não me lês… porque não deixo…

Para não te alimentar o ego… e porque sabes de tudo…

Porque já sentiste tudo o que aqui fica… para Ti…



E… para Ti… aqui deixo trezentos e treze beijos…

Tantos quanto o tempo que vives em mim…

Pelos infernos que me deste… pelos oásis para onde me levaste…

Neste deserto… meu… teu… de noites estreladas… de estradas de mil cores…

De madrugadas frescas… com cheiro a mar… com o soar das ondas…

Com o teu perfume… e o meu… misturados… quase iguais…



E nesta nuvem estou… dançando…

Sem querer pensar no certo… no errado…

Estendes-me a mão… e eu dou-te a minha… seguro-te… aqui…

Nestes instantes em que somos apenas tu e eu… esquecidos…

Esquecidas tantas coisas… perdoadas… afastadas…

Neste querer de sins e nãos… de lágrimas e sorrisos…

E Tu vais ficando… e eu deixo… que fiques…

Nas espirais deste tempo que vou contando…

Dia a dia… instante a instante…

Presa em memórias tão doces… tão de ontem…

Presa nas tuas mãos… nos teus cabelos…

Presa no teu olhar… na tua voz…

Nesta prisão de que fujo sempre…

Mas para onde me fazes voltar…

Quebrando a minha vontade…

Desfazendo as minhas decisões…

Assim… tão simplesmente…

Apenas porque me sinto presa… a Ti.




terça-feira, 28 de agosto de 2007

Despedidas

Queridos amigos,



Quero agradecer, do fundo do coração, a todos os que me leram aqui e comentaram.


Talvez volte a escrever mas, de momento, irei escrever para outro lugar, partindo para novas paragens.

Levo-os todos comigo, aqui guardados num cantinho muito especial.


Um obrigada muito grande e a todos desejo sempre o melhor!


E não se esqueçam nunca do que um dia alguém nos desejou neste mundo virtual, sabe-se lá quem!


"Nunca desistas de um sonho. Se não houver numa pastelaria... vai a outra!"


Um beijinho, um terno sorriso, um vento quente do deserto******:)))))



.*.*.*Kakau.*.*.*.

A promessa que nunca te farei




Esquecer:


Esta canção


Quando a dançámos… olhos nos olhos

O significado da letra

Os nossos sonhos

Corrermos o mundo juntos

Nadarmos nos oceanos

Fazermos o certo e não o errado

"Our house"

Amarmos os nossos filhos

Passearmos os nossos cães

Mimarmos os nossos gatos

A nossa amizade de sempre

As nossas gargalhadas

As nossas lágrimas

O nosso amor de ontem

Tu e eu

"How wonderful life is

While you're in the world"


segunda-feira, 27 de agosto de 2007

O factor surpresa

Gosto imenso do factor surpresa sempre que seja favorável, claro!

E este Verão já fui brindada com algumas surpresas com as quais não contava. Eu bem disse que quando estou assim energética é quando me sucedem as melhores coisas, nem sei eu bem porquê!

Bem, mas com a última surpresa é que eu não contava mesmo, por isso estou à espera dos próximos capítulos. E o melhor é que tenho cá um feeling que esta maré não vai ser tão curta quanto isso, porque tirando algum stress na primeira quinzena de Outubro prevejo um início de Novembro muito interessante. Se durar até ao final do ano… bem… até deito foguetes!

Vamos ver, pelo menos a rentrée profissional começou também com uma grande surpresa, oh oh, aqui no deserto até os camelos andam a sambar, eheheh! Deixa-me cá aproveitar estes ventos enquanto é tempo, depois logo se vê, por agora só quero deliciar-me com o tempo presente.

Por vezes a vida dá-nos boas alegrias e é preciso aproveitá-las devidamente porque nunca duram assim tanto.

domingo, 26 de agosto de 2007

O Senhor dos Moinhos


Bem-vindo, Senhor dos Moinhos,

Caso venha visitar o meu estaminé, e antes que possa dizer "ai" ou "ui", brindo-o com um desenho do Salvador Dali. Está a ver como sou simpática? Pois sou.


Espero que também não se importe por ter copiado o poema da Emily, sei de certeza que ela não se rala nem um pouco. E vou deixá-lo aqui em sua homenagem, agradecendo as fantásticas horas de hoje.


Agora tu-cá, tu-lá, Rui, espero que mudes de teclado, rapidamente (!) e que descubras o MSN, eheheh!


Um beijinho,


Maria


Hope



Hope is the thing with feathers
That perches in the soul,
And sings the tune--without the words,
And never stops at all,

And sweetest in the gale is heard;
And sore must be the storm
That could abash the little bird
That kept so many warm.

I've heard it in the chillest land,
And on the strangest sea;
Yet, never, in extremity,
It asked a crumb of me.

Emily Dickinson



Adenda:


Ich denke daß wir Deustch studieren zusammen könnten, nicht war?
Ich frage mich wenn diese satz richtig ist. Es ist so schwer!
Mein Got, ich habe so viel vergessen, schade, denken sie nicht?


(tenho a sensação que anda por ali asneira da grossa, eheheh!)

sábado, 25 de agosto de 2007

Quédate ahí





Quédate ahí… no te muevas

Quiero recordarte… así

Tal y como eres… solamente tu


Quédate ahí… no te muevas

Para que mi mirada no pierda la tuya

Y mi corazón te sienta como mío


Quédate ahí… no te muevas

Para que no te deje esa luz

Que brilla en tus ojos al verme


Quédate ahí… no te muevas

Para que la pasión no se va

De ti, de mí, de nosotros


Quédate ahí… no te muevas

Para que pueda oírte siempre

Que me dices con cariño... te quiero


Quédate ahí … no te muevas

Para que no pierda tus besos

Y el sabor a miel de tus labios



Quédate ahí… no te muevas

Para que no se acabe este sueño

Y no se va la sonrisa de mi alma







sexta-feira, 24 de agosto de 2007

Planos




É impressionante o poder de uma música e de uma letra. Costumo dizer que a Mafalda Veiga já escreveu e cantou a minha vida toda mas para eleger a canção mais importante é sem dúvida “Cada lugar teu”. E pela vida fora vamos ouvindo sempre quem “nos cante”.

Passei pelo blog da Cookie e ouvi esta versão de Corazón Partío do Alejandro Sanz com a Ivete Sangalo. Adoro esta música e esta mistura latina com um toque de samba é espectacular. Dei por mim a sambar no meio da sala a esta hora da matina com um dos meus sorrisos maquiavélicos. Eu quando me ponho assim aí vem coisa, ai vem vem! Não sei porquê, mas cada vez que me sinto assim, super energética, os Deuses andam todos loucos.

Então os planos para hoje incluem um grande mergulho no sueste com aguinha a 21º e quase até ao Pôr-do-Sol. Adoro ficar na praia até quase à noite e por vezes é quando tomo os melhores banhos e nado quase até Marrocos. Estou é bem arrependida de ter visto o Jaws porque desde aí nunca mais fiquei descansada, ando sempre alerta não vá o diabo tecê-las porque eles andem aí, andem andem!

Depois do meu sueste, e se não estiver muito cansada, vou prá night. Tenho de fazer um telefonema porque a Hora H mudou de gerência e eu ainda não fui dar a minha aprovação, ora eles devem estar todos à minha espera (presunção e água benta… cof cof cof).

Bem, mas na verdade o que vou começar a sondar já é onde vou passar o réveillon, ah pois é, é sempre planeado com o devido tempo de antecedência. Há dois anos atrás foi inesquecível, melhor era mesmo impossível. Este ano vamos ver, gosto sempre do factor surpresa e embora tenha os meus desejos secretos gosto de ser cuidadosa que é para depois não ficar desapontada.

Eu sou assim, na semana do Natal estou sempre desejosa para chegar ao fim do ano, adoro misturar-me com a multidão dessa noite e dançar até me doerem os calcantes. No dia 31 só penso em maquilhagem, roupas e sapatos e depois no dia 1 adoro estar na cama até às quinhentas, acordar e tomar um café e um sonho… para alimentar os meus sonhos.

Ahh, Como é bom ser uma divorciada feliz, tão bom! Se o meu ex-marido lesse isto caía-lhe qualquer coisa ao chão, mas vá, até tenho de ser simpática, somos um ex-casal perfeito passados quase 3 anos, quem diria! E depois gosto da forma como me olha sempre que me vê. (E não sabe ele da missa a metade, porque se soubesse… então é que lhe dava uma coisinha má! Sou tão mazinha, não sou? Eheheh!).

Manta de Retalhos





Não fui educada com sentimentos e ideias racistas, embora um casamento misto não fosse do agrado materno. Mas tê-lo-ia feito de qualquer modo, se a ocasião se tivesse apresentado.

Não acredito na separação das cores, as diferentes raças são apenas uma manta de retalhos colorida que significa diversidade no mundo em que vivemos. O que separa as pessoas são as ideias, os costumes, as crenças e as atitudes. Estas são as verdadeiras barreiras que separam o Ser humano, ainda que seja da mesma cor.

Acredito nas pessoas que se regem pelo coração, ditando à Razão o certo e o errado, e espero que o mundo se transforme num caminho ascendente para que, talvez, eu ainda o possa ver. Mas se não acontecer, pelo menos espero que as gerações vindouras não persistam nos mesmos erros e escolham o caminho de uma palete de todas as cores, interagindo em harmonia e com respeito pelas próprias características.

Não nos podemos sentar e pensar que já nada se pode fazer, enquanto vivermos há sempre algo de novo a construir desde que o desejemos. E os nossos desejos são a base para a ponte que nos levará a lapidar este diamante bruto em que vivemos para o tornar num brilhante de todas as cores e que seja um farol eterno para a Humanidade.

Lembrando:

Rosa ... Simão... Kopeykas ... Rifka... Mayuri...

quinta-feira, 23 de agosto de 2007

Dilema




Hoje levantei-me com um dilema...

Sinto-me dividida... preocupada... triste...

Pergunto-me se devo ou não devo... se faço ou não faço...

E as dúvidas perseguem-me... perdi a fome... estou inquieta...

Aproxima-se a hora da decisão... e eu sem saber o que fazer...

Ah quem me dera não ter este dilema!... quem me dera saber o certo e o errado!...

Olho para ele... vezes sem conta... e pergunto-me...

Será que depois me vais cantar esta canção na mesma?...

Promete... promete meu querido cabelo... que se te cortar uns centímetros...

Continuo a ser a tua preferida... prometes?



Memórias...




Desperto… e não te sinto…

Olho para a varanda…

E pela janela entreaberta sorris-me...

Levanto-me… vou descalça… de mansinho...

E deito-me junto a ti… em silêncio…

Abraças-me…tapas-me com a manta…

Fecho os olhos… no fresco da madrugada…

Sentindo o aroma a maresia… o soar das ondas…

Encostada ao teu peito… imóvel…

Os teus braços à minha volta…

E a tua boca que se aproxima da minha…

Dizes baixinho… “sabes a pastilha elástica…”

Sorrio…




The End










Oh yeah, alright,
Are you gonna be in my dreams tonight?

And in the end the love you take
Is equal to the love you make


The End, The Beatles



(Is it? I wonder...)



quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Carta ao Pai Natal






Pai Natal,

Senta-te aí que a conversa vai ser longa, ou melhor, os pedidos vão ser longos. Ando muito aborrecida contigo mas podes melhorar as nossas relações se me deres o que te peço. E para que possas ir encontrando tudo já te estou a escrever com tanta antecedência porque depois os miúdos desatam a pedinchar, podes não ter tempo para mim, e há certas coisas que eu gosto de planear com grande avanço.

Bem, eu quero coisas muito simples. Primeiro quero um carro novo, aliás… dois carritos, um para a cidade e outro para ir para a praia. Um RR branco que pode ser sem bar, TV e piscina porque não uso nada dessas coisas. O outro é um Porsche Cayenne azul escuro, com GPS. Como vês são dois rodinhas acessíveis e fáceis de encontrar, mas se me quiseres dar um bónus podes juntar uma Audi TDI all road também azul escura. Não me apareças é com carros vermelhos que já sabes que eu embirro solenemente com essa cor, sabes muito bem que sou verde. E onde é que os arranjas? Não é nada na Praça de Espanha, tens cada uma, pá! Vai mas é à Feira do Relógio ou à Feira da Ladra que são muito mais em conta.

Continuando…

Também quero uma Penthouse em Nova Iorque. Onde? Mas onde é que havia de ser? Em Manhatten, é claro! Ou tu achas que eu tenho cara de New Jersey? Ah, e na 5ª Avenida que é mais central, se calhar até é lá que está a Trump Tower, pode ser mesmo aí. Se o Donald viver no topo, que deve ser o caso, desaloja-o e muda-o para outro andar, e ele que fique de bico calado que já é uma grande honra ter uma vizinha como eu (mesmo quando eu cantar as músicas do Zé Cabra, da Ana Malhoa, ou do Quim Barreiros). E que nem te passe pela ideia mobilá-lo com móveis do IKEA ou da Moviflor, vê lá bem o que me arranjas! Telefona à Oprah e pede-lhe para te emprestar o Nate, esse sim, esse é que é um génio da decoração, além de ser uma brasa de cair para o lado! Pena é jogar na equipa contrária, mas enfim, não se pode ter tudo.

Arranja-me também uma casa em Los Angeles, sempre com o Nate como é óbvio, para eu receber a família e os amigos e irmos todos à entrega dos Óscares fazer inveja ao pessoal. Olha, um Cadillac, daqueles bem grandes e bem americanos também está na ordem do dia, anota aí. Vê lá a cor, toma atenção, já te estou a avisar novamente, aparece-me cá com alguma máquina cor de tomate e ficas a cantar com voz de falsete com as crianças do coro de Santo Amaro de Oeiras.


Bem, deixa cá ver mais coisas…


Ah, realmente também preciso de um Action Man igualzinho ao Clooney, mas olha que tem de ser rigorosamente igual que é para eu pôr a tiracolo e não fazer má figura. Tem de saber fazer todas as tarefas da casa, fazer-me todas as vontades, e pede para lhe meterem um botão on/off que é para eu ligar e desligar sempre que me apetecer. Se o raio do boneco se põe a incomodar-me por causa de eu estar até às tantas na sala de chat ainda temos o caldo entornado. Ele tem de ser o homem perfeito, aquele que não existe em carne e osso, e vê lá se fazes a coisa bem feitinha porque quando me chega a mostarda ao nariz lanço mísseis a torto e a direito, ainda apanhas um que eu estou-te cá com uma sede que nem calculas! Está bem, está bem, eu vou ver se te perdoo as asneiras, pode ser que acalme.

Como gosto muito de viajar quero um Jet todo metalizado e só com tripulação masculina, nada de mulheres que para isso já basto eu e já nem tenho pachorra pra me aturar. Tens é de me mandar fotos para eu os escolher a dedo e têm de ser todos uma simpatia porque eu não gosto de gente mal encarada, só quero gente gira!

O mesmo tem de acontecer com o iate, ou melhor, o yacht, assim fica mais chique, quero uma tripulação de farda branca e escolhidinhos a dedo pela je. Não precisa de ser muito grande, tem é de ser confortável, mas nada de fazer compras em segunda mão, compra-o nos USA que eles gostam de coisas à maneira. Ah! E não te esqueças que todas as máquinas têm de ter a matrícula “Miss Kakau”, já sabes que Kakau só há uma… eu e mais nenhuma. Quem é que disse? Eu, ora quem havia de ser! Tou-me nas tintas se há resmas, baldes, delas no Brasil! Ok, ok, são todas boazonas, pois são, mas lembra-te que têm silicone por todo o lado, assim também eu, vai lá vai, se eu tirasse daqui, pusesse ali, ias ver como eu ficava toda giraça, oh oh! E isto já me deu outra ideia, mas já te digo.

É verdade, já me ia esquecendo, e que tal uma bicicleta da Barbie, toda cor-de-rosa e com um cestinho à frente? É para eu fingir que sou francesa e que vou comprar a baguette na bici, mesmo um must, não achas?

Ora bem…mais…

Arranja-me também cinquenta e um por cento das acções da Maison Chanel e da Estée Lauder, assim fico logo com o dois em um, vestida, calçada, com adereços a condizer, lingerie, tratamento para a pele e para o cabelo. Consulta o Dow Jones e o Nasdaq para ver a melhor altura, eu é que não percebo nada disso mas tu deves saber, já deves ter os cursos todos, problema teu. Como dizem os brasileiros… eu não posso cansar a minha beleza com essas coisas.

Olha lá pá, não te ponhas a bocejar que ainda não acabei, hoje é a Part I, depois há mais, mas por agora anota aí só mais uma coisita… marca-me uma plástica com o Pitanguy ou então com aquele cirurgião do Porto, tem fama de ser excelente e eu só quero dar uns retoques aqui e ali. Mas olha que prefiro o Pitanguy, já o conheço de ginjeira ali do Pingo Doce, encontro-o lá muitas vezes a comprar melões de Santarém, nunca tive foi a lata de lhe falar, nem sabes o melão com que eu fiquei! Mas é para isso que serves, para cumprir os nossos caprichos.

Como vês só te pedi coisas básicas e super fáceis de arranjar. Despacha-te lá com isso que eu vou pensar em mais coisitas, talvez mais umas vinte, não sei, depende da telha. E não me venhas com as tretas de que estão esgotadas, que são muito caras, muito pesadas, etc. e tal. Pede um empréstimo ao Bes, ao CityBank, whatever, e já agora pede também um PPR que assim fico mais descansada. Bem sei que tenho um lar de terceira idade aqui perto mas é sempre bom prevenir.

Ah, e não vale a pena tentares entrar pela chaminé porque eu tenho exaustor, vem buscar-me com as renas e levas-me logo para NY para eu passar lá o revéillon. E uma coisa importante, quero champanhe francês, o Dom Pérignon, que é o meu preferido, mas também podes arranjar umas caixas de Cristal que é o champanhe americano que o Frederico bebe e diz que é o mais caro de todos, já agora experimento. Olha, e já agora mete o Frederico na lista porque de repente me deram aqui umas vontades, mas ele que venha com a farda de marujo, toda branquinha, aquela, pois, essa mesmo que me dá uns calores do caraças.

Pronto, está tudo, se bem que me lembrei que umas unhas de gel também vinham a calhar, marca aí na Estée. Tou farta de partir as minhas nas limpezas, mas que vida esta de gata borralheira! E gata velha, ainda por cima!

Vá, vá, adiante que se faz tarde, vai lá então e não percas a agenda, fico à tua espera para a Part II, vamos lá ver se é desta que me livro da loja dos chineses, safa, já ando de olhos em bico!

Olha, e não bebas enquanto conduzes e não excedas o limite de velocidade ou partes os… bem… aquelas coisas das renas, ou os teus, se te confiscam a carta eu é que fico a ver navios. Depois não te queixes se me ponho a jogar à batalha naval!

Porta-te bem que eu encarrego-me de me portar mal.

Não te esqueças de me manter ao corrente das diligências ou vou a tua casa e parto-te o estaminé de uma ponta à outra.


.*.*.K.*.*.






Uma das melhores lições que possas aprender na vida é...

Um dia seres verdadeiramente espantástica e maravilhástica...

E no outro caíres aos trambolhões do pedestal...









Deixas-te logo das tretas que dois e dois são vinte e dois...

E o quatro que se te apresenta como único e certo resultado é...

Uma bela de uma estalada nas ventas para aprenderes.




(Gosto quando me sinto assim poética…
É quando “acordo” de muitas merdas e digo...
Tou-me a cagar e que se foda!
Adiante que se faz tarde...
E ninguém me paga pra ficar de trombas...)


(Bahhhh!)






Zahir




A ilha … talvez vá…brevemente…

Uma possibilidade no horizonte…

E já essa ideia me preenche os sentidos…

Dou por mim a querer que o Verão passe…

Será normal?...

Não é … mas… é por algo…

É a ilha de verde… neve… e mar

E a “ponte” continua…

A ligação...

Talvez um dia… talvez…

Com tanta água a correr… tanto rio… tanto mar…





E é no silêncio da noite que oiço esta “máquina”…

Com tanta esperança… tanto querer…

Tanto tempo… dias... meses... anos...


O meu Zahir existe…

Lá longe… na curva do horizonte...

E é a ele que entrego os meus desejos…

Água cristalina… pura… sabendo a ontem…

Das pedras… do luso… apenas água… lágrimas…

Gotas dantes enxugadas com beijos…



Quem sabe um dia…

Num terno amanhecer…

O meu Zahir volte…

E o longe far-se-á perto.




água…

das Pedras…
café…
olhar…
silêncio…

água

memória…
voz…
doce…
quente…


água

ilusão…
infinito…


água…

do Luso…
sinal…
horizonte …


água…

chuva…
nuvens…


água…

mar…
sorriso…
tu…


água

beijos…
céu…
sonho…


água

límpida…
fresca…
pura…


água…

das Pedras
do Luso
lágrima…



água

alma
eternamente…

agua_doluso.

terça-feira, 21 de agosto de 2007

O verbo coitar

Há novas regras no Salão Nobre, não se pode dizer a “f” word nem o verbo f…er. Agora só é permitido falar em coito ou coitar, fica mais chique e não ofende os puristas e puritanos. Se nos fizerem a pergunta sacramental “queres f…er?” nós respondemos “eu não… piii!, só coito”.

E o porquê disto? É que há uns tempos atrás alguns dos meus manos (a tristoca e o Aramis), amigos, e aqui a je levámos uma ensaboadela de uma “perfeccionista” já sobejamente conhecida, cujo único divertimento é nos lembrar que não passamos de frequentadores de um bordel virtual e que somos uns devassos apenas em busca de uma f…da piii!, perdão, de um coito ocasional.

O mano Aramis é que lhe deu uma resposta interessante à questão da “falta de nível” com o seguinte: “Eu só desço de nível até aos Tomates”. Que mais se poderia dizer? Claro que a mana e eu andamos pelas ruas da amargura, na opinião da “purista” e ainda meteu o mano Portwine ao barulho, que nem sequer lá estava, com a advertência que se nos metermos com ele somos largadas à beira da estrada! Ahahah! É mesmo tola e doida, o que ela tem é uma ganda dor de corno, isso sim, bem queria ela ferrar o dente no mano mas ele já lhe deu todos os foras possíveis.

Lá fomos também brindadas com a falta de nível mas respondemos cada uma no seu estilo e, de resto, já temos cá um traquejo nestas andanças que nada disto nos afecta. Foi um festival de riso, antes e depois da clássica “Keka de las Siete”, epíteto aqui inventado pela je. Eu nem sei com quem kekei, perdão, coitei, acho que foi tudo à molhada. Como sabem eu só keko, ai, coito, com o mano Portwine, praticamos o incesto seguro, é uma tradição.

Então já sabem, acabou-se o verbo foder (ai, caraças, lá escapou!), vamos lá conjugar o verbo coitar:

Eu coito, Tu coitas, Ele coita, Nós coitamos, Vós coitais, Eles coitam!

Bolas, eu não sei quem anda a coitar com quem, nem quero saber, mas o certo é que 90% do salão pensa que me faço de encalhada e embarco todos os dias em navios carregadinhos de marinheiros ou piratas, das Caraíbas, de Marrocos ou das Berlengas!

Sinceramente, isto de ter fama sem ter o devido proveito é que me irrita! Bem, irritar, irritar, nem é tanto assim, dá-me é uma enorme vontade de rir porque andam bem longe da realidade, mas deixá-los “faladrar” eu é que sei o que se passa no deserto. E, de resto, se eu quiser coitar eles também não têm nada que meter o nariz onde não são chamados, eu cá não fiz votos pra freira, safa, era só o que mais me faltava! E se apanhasse o Clooney a jeito a ver se não fazia dele um… coitado! Ai nanas que não fazia! Ahahah!

É nestas alturas, perante certas Maravilhas da Natureza, que eu sei que...


Deus existe!


Homenagem ao PI


Não, isto não tem nada a ver com o π.

É um tratado acerca do... Papel Higiénico.

Ora bem, até poderão sorrir com uma questão tão simples como o papel higiénico mas a verdade é que é um verdadeiro problema quando falta!

A filosofia do rolo de papel higiénico é mais complexa do que se possa imaginar. E dado que nada se pode limpar à parede há que recorrer aos substitutos. Mas o PI tem um posto difícil de ocupar porque aquele suave desenrolar, de várias cores e desenhos, perfumado ou não, é único e exclusivo, não há quem o suplante.

E depois é tão prático que depois de usado… lá vai ele por água abaixo, além de ser discreto, um verdadeiro túmulo! Alguma vez o ouviram revelar o que vê? Não, dali não se arranca nada, sempre fiel e caladinho que nem um rato!

E esta questão foi largamente debatida no século passado. Estou aqui a lembrar-me de “Alguém” que um dia, às 8 e meia da matina e no meio de grandes questões existenciais, sussurrou nas nossas costas a seguinte frase:



“Papel Higiénico Miraflores… O Tal Que Não Risca O Que Limpa!”



Enfim, foi o descambar da compostura e as filosofias “Kantianas” e “Hegelianas” baralharam-se com a Filosofia do PI, com gargalhadas abafadas e lágrimas à mistura e no entanto tão perceptíveis que a razão de tal explosão teve de ser revelada por ordem da mestra.

Fui de imediato indagada, por razões óbvias, e embora a minha vontade fosse de dizer “não confirmo nem desminto e só falo na presença do meu advogado” lá tive de cumprir a ordem, dividindo com os restantes mortais.

Moral da história: gargalhada geral!

Depois houve uma advertência para “Alguém”: “ O menino faz favor de deixar as meninas sossegadas, prestar atenção, e sobretudo deixar a Mlle Maria quietinha”, com um sorriso cúmplice e benevolente.

Felizmente sempre houve gente com sentido de humor porque senão isto era cá um enjoo! Oh oh !

Virando a página





Espreitando pela janela
Vendo o Sol a descer
Lá longe… no horizonte
Num terno entardecer de Estio
Caiu a noite… quente…
Perfumada de buganvílias e folhagens
Soam os cricris dos grilos no monte
E os acordes suaves da música
E da voz de um cantor…
Ecoam na sala… e na casa…
Fecho mais um capítulo
Do “livro” que é a minha vida
Virando a página… uma mais
Mais um epílogo.


Sorrio perante certas ousadias
Quebrando antigas decisões
Tão bem guardadas em mim
Prometendo não mais repetir
Amanhã outro dia será…
E caminharei sem receio
Com passos mais seguros
E a alma livre de prisões
Respiro fundo… cerrando os olhos
Neste mar de ideias que me invadem
Com a secreta esperança que logo…
Uma certa tristeza se esvairá
E quando o novo dia nascer
Será ainda mais pequenina
Menos presente e sombria
Deixando a luz brilhar de novo


Sorrio ao futuro com respeito
Esperando que me traga uma lua
Uma estrelinha só para mim
E um Sol que brilhe sem parar
Olho para as fotos da prole
Ali tão doces, tão minhas
São a razão mais importante
Para nunca deixar de sorrir



A vida é feita
De sins… de nãos
De pequenos nadas que
Juntos são muitas coisas
De mãos unidas faço uma prece
E agradeço.

segunda-feira, 20 de agosto de 2007

"Aquellas pequeñas cosas"




Pequeñas cosas...
Como un abrazo...
En un papel...
O en un e-mail...





Uno se cree que las mató
El tiempo y la ausencia
Pero su tren
Vendió boletos de ida y vuelta
Son aquellas pequeñas cosas
Que nos dejó un tiempo de rosas
En un rincón,
En un papel
O en un cajón.

Como un ladrón,
Te acechan detrás de la puerta
Te tienen tan a su merced
Como hojas muertas
Que el viento arrastra allá o aquí...
Que te sonríen tristes y
Nos hacen que
Lloremos cuando
Nadie nos ve.


domingo, 19 de agosto de 2007

O meu colégio


Tinha cinco anos e meio quando tive uma das melhores experiências da minha vida.

O meu Pai levou-nos ao colégio, à minha irmã e a mim, naquele início de Outubro. Quando saí do carro fiquei extasiada ao ver a imensidão daquele edifício tão alegre, tão bonito e tão cheio de árvores, foi mesmo amor à primeira vista!

Eu não entendia nada do que a professora me dizia, apenas lhe sorria deliciada pela novidade da língua, deliciada pela sala de aula enorme e luminosa, pelas carteirinhas minúsculas, pelo recreio, enfim, por tudo.

Um ano depois já eu falava francês pelos cotovelos, esponjas que são as crianças e tudo aprendem à velocidade da luz. Ganhei muitos prémios e recordo com ternura o fecho do ano lectivo com toda a solenidade no ginásio e mais tarde no São Luís.



Foram treze anos maravilhosos e nunca houve um dia em que pudesse dizer que estava farta porque ali tudo me encantava. Lembro-me de tantas amigas, de tantos amigos, de tantas peripécias divertidas!

Adorava as aulas de ballet, de canto, de culinária, de francês, inglês e alemão, mas franzia o nariz aos Lavores e a certas modalidades da ginástica, uma delas era subir à corda. Dava-me cada ataque de riso que subia dois ou três nós e ficava-me por ali. Em contrapartida era sempre a segunda da turma no salto em comprimento, isto porque a João tinha pernas de Bugs Bunny e passava-me justamente… a perna, eheheh!

Depois dos anos da adolescência chegou a altura de pensar na carreira. Aos dezasseis anos estava decidida, seria Direito (depois mudei para Germânicas). Só que a minha vida teve um acontecimento inesperado porque o Fefas passou a fazer parte da minha turma, também ele queria ser advogado e assim lá se juntou ao pequeno bando de Letras em que as meninas predominavam e os meninos estavam em minoria.



Tivemos aulas que eram um verdadeiro papelinho, sobretudo as de Latim em que o Fefas, o Zé M, o Zé F, e o Alvarinho se divertiam a atirar bolas de papel para mim, para a Ana e para a Inô. Eles faziam questão de se sentarem nas últimas carteiras e nós levávamos com os “projécteis” na tola. O azar dos azares é que um dia uma das bolinhas foi mal calculada e parecia um meteorito a aterrar na mesa da professora. Resultado, mudámos para a cave do edifício central com carteiras numa só fila e lá se foram as infantilidades dos meninos que nos fizeram ouvir das boas. Eu cá perdia-me a rir, mas também comi por tabela, claro, noblesse oblige!

Qual foi a chave de ouro do ano lectivo de 72-73, o meu namoro com o Fefas, claro! E atingiu proporções que nenhum de nós poderia imaginar. Contrariámos, embora involuntariamente, a rígida disciplina establecida ao ser o primeiro casalinho a se atrever a andar de mãos dadas dentro do colégio.

Um dia demos de caras com o director máximo, que em francês tem o título de Proviseur. Apesar de termos ficado gelados não largámos as mãos e, pasme-se, ele passou por nós e sorriu-nos! A partir daí, e depois de contarmos o sucedido, todos os parzinhos fizeram o mesmo, mas nós recebemos o título de Par Romântico e o mais famoso do colégio. Éramos mesmo muito à frente!

Havia tanto a contar mas levaria páginas e páginas. Como epílogo fica a primeira visita a França em 71, numa viagem organizada pelo colégio que incluía antigos alunos e familiares. Os preços eram mesmo para estudantes e em território francês ficámos nas Pousadas de Juventude. A de Paris era um prédio gigantesco.


Foi a única vez que andei descalça numa cidade e foi também no Théâtre de La Porte de St. Martin que vi a peça musical Hair. O cantor principal era o “meu” Julien Clerc, um ídolo que eu seguia desde os doze anos, coleccionando as famosas revistas Salut Les Copains e Mlle Âge Tendre, época também da minha fase so so hippie, exceptuando as drogas que foi coisa que nunca experimentei porque a minha "droga"... é a night!

O colégio foi uma grande base, a todos os níveis, o meu coração terá sempre um cantinho francês e serei sempre um pouco … une enfant de la Patrie, une enfant du Lycée Français Charles Lepierre.



La plus belle pour aller danser, Sylvie Vartan

Femmes je vous aime, Julien Clerc



Um Trevo para Todos





Os meus desejos sinceros para que cada página que virarem do livro da vossa vida seja mais rica, mais colorida e mais alegre.

Nunca deixem de sonhar porque os sonhos são uma chama sempre acesa nas nossas cogitações.




Jasmim

A ti que te conheço há tanto tempo, e a primeira a visitar o meu cantinho, um beijo com toda a cumplicidade das nossas letrinhas.

Cookie

Linda menina tão madura e tão divertida, a segunda a dar aqui um saltinho e a deixar as suas ideias, beijinhos.

Wild Mind

Meu amigo de longa data, sempre com uma ternura no meu blog do MSN, no Salão Nobre e no Chat de Vida, um beijo enorme para ti.

Netmito

Um xi grande para ti, que também te conheço há tanto tempo e que leio sempre com prazer.

Excelsior

Um beijinho grande de agradecimento pelos teus comentários aos meus posts no Chat de Vida, aqui no meu cantinho, pelas nomeações e pela amizade.

Chat de Vida

Para todos os que escrevem nesse espaço tão divertido. Um beijão.

Um Momento

Um beijinho muito carinhoso para ti, pelas tuas palavras sentidas e por me incluíres também no teu trevo e nos 7 casuais.

Stefanie*

Uma menina linda e com um coração de ouro, para ti um beijão da titi.

O Profeta

Um poeta que veio aqui pela mão da Um Momento. Um beijinho grande para ti e espero que voltes, eu certamente voltarei a ler-te.


*Um abraço para todos os que visitarem o meu espaço.



«Que nenhuma estrela…»

Que nenhuma estrela queime o teu perfil
Que nenhum deus se lembre do teu nome
Que nem o vento passe onde tu passas.

Para ti criarei um dia puro
Livre como o vento e repetido
Como o florir das ondas ordenadas.

Sophia de Mello Bryner Andresen (Ibidem)

Os nossos animais

Dedicado em especial à minha adorada gata de olhos cor de esmeralda

Maria Cacau
(1997-†2006)

e à minha dedicada, terna, e maravilhosa cadela

Maria Twiggy
(1992- †2007)


Às minhas gatas:

Maria Francisca
Maria Magali
Maria Bolachinha

e ao meu gato,


Kitty Maria


A todos os meus animais que já partiram, e a Todos os Animais do Planeta.

A soberba, a crueldade, o desrespeito, a ignorância do dito “Ser Humano” têm de ter um fim, os humanos têm a obrigação de respeitar todos os outros seres vivos e de não os maltratar ou infligir sofrimento cruel, atroz, desumano e desnecessário, é por isso que somos apelidados de… Animais Racionais. Cabe-nos a nós prová-lo… todos os dias.
KAKAU

"Não me interessa nenhuma religião cujos princípios não melhoram nem tomam em consideração as condições dos animais.
Abraham Lincoln

Nada beneficiará tanto a saúde humana e aumentará as hipóteses de sobrevivência da vida na Terra quanto a evolução para uma dieta vegetariana. A ordem de vida vegetariana, pelos seus efeitos físicos, influenciará o temperamento dos homens de uma tal maneira que melhorará em muito o destino da humanidade.
Albert Einstein

As sociedades protectoras de animais são as sentinelas avançadas da cultura e da civilização.
Alexandre Dumas Filho

Quanto mais conheço os homens, mais estimo os animais.

(...) espectáculo de eras bárbaras [as touradas], que a civilização, desenvolvendo-se gradualmente por alguns séculos, ainda não pôde desterrar da Península, e que nos conserva na fronte o estigma dos bárbaros, embora tenhamos procurado esconder esse estigma debaixo dos ouropéis e pompas de arte moderna e pleitear a nossa vergonhosa causa perante o tribunal da opinião da Europa com sofismas pueris e ineptos.
Alexandre Herculano

Se eu tivesse outra vida, dedicá-la-ia inteiramente à luta contra a vivissecção.
Bismark

Quando se é capaz de lutar por animais, também se é capaz de lutar por crianças ou idosos. Não há bons ou maus combates, existe somente o horror ao sofrimento aplicado aos mais fracos, que não se podem defender.
Brigitte Bardot

Feliz seria a Terra se todos os seres estivessem unidos pelos laços da benevolência e só se alimentassem de alimentos puros, sem derrame de sangue. Os dourados grãos que nascem para todos dariam para alimentar e dar fartura ao mundo.
Buda

Não há diferença fundamental entre o Homem e os animais nas suas faculdades mentais (...) Os animais, como o Homem, demonstram sentir prazer, dor, felicidade e sofrimento.

A compaixão para com os animais é das mais nobres virtudes da natureza humana.
Charles Darwin

Por que é que o sofrimento dos animais me comove tanto? Porque fazem parte da mesma comunidade a que pertenço, da mesma forma que os meus próprios semelhantes.

O destino dos animais é muito mais importante para mim do que o medo de parecer ridículo.
Émile Zola

Atrocidades não deixam de ser atrocidades quando cometidas em laboratórios e apelidadas de pesquisa médica.

A vivissecção é um mal social porque, se faz o conhecimento humano avançar, fá-lo à custa do carácter humano.
George Bernard Shaw

Não tenho dúvidas que faz parte do destino da raça humana, na sua evolução gradual, parar de comer animais.
Henry David Thoreau

A real cura para os nossos problemas ambientais é compreender que o nosso trabalho é salvar a Mãe Natureza...Nós estamos a defrontar um terrível inimigo neste campo. São os caçadores...e convencê-los a deixar as suas armas na parede vai ser muito difícil.
Jacques Cousteau

A pergunta não é "Podem eles pensar?" nem "Podem eles falar?", mas antes "Podem eles sofrer?"
Jeremy Bentham

Realmente o Homem é o rei das bestas [animais], pois a sua brutalidade excede-as. Nós vivemos pela morte de outros. Somos locais de cemitério.

Chegará o dia em que o Homem conhecerá o íntimo de um animal. E, nesse dia, todo o crime contra um animal será um crime contra a humanidade.
Leonardo da Vinci

Os animais foram criados pela mesma mão caridosa de Deus que nos criou... é nosso dever protegê-los e promover o seu bem-estar.
Madre Teresa de Calcutá

Por detrás de cada pele bonita há uma história. É uma história sangrenta e bárbara.
Mary Tyler Moore

O verdadeiro teste moral da humanidade, o seu teste fundamental, consiste na sua atitude para com aqueles à sua mercê: os animais. E, a este respeito, a humanidade sofreu uma profunda catástrofe, uma catástrofe tão grande que todas as outras nela têm a sua origem.
Milan Kundera

(...) divertimentos bárbaros [as touradas], impróprios de nações civilizadas, que servem unicamente para habituar os homens ao crime e à ferocidade.
Passos Manuel

Se os matadouros tivessem paredes de vidro, todos seríamos vegetarianos. Sentimo-nos melhores com nós mesmos e melhores com os animais, sabendo que não estamos a contribuir para o sofrimento deles.
Paul e Linda McCartney

Enquanto o Homem continuar a ser o destruidor dos seres vivos dos planos inferiores, não conhecerá a saúde nem a paz. Enquanto os homens massacrarem os animais, eles matar-se-ão uns aos outros. Na verdade, aquele que semeia a morte e o sofrimento não pode colher a alegria e o amor.

Os animais dividem connosco o privilégio de terem uma alma.
Pitágoras

As pessoas sentem-se ofendidas com campanhas pelos direitos dos animais. Isso é um absurdo. Não é tão mau quanto a indústria de assassinato em massa de animais.
Richard Gere

Não te envergonhes se, às vezes, os animais estejam mais próximos de ti do que as pessoas. Eles também são teus irmãos.
São Francisco de Assis

A protecção dos animais faz parte da moral e da cultura dos povos civilizados.

Primeiro foi necessário civilizar o Homem em relação ao próprio Homem. Agora é necessário civilizar o Homem em relação à natureza e aos animais.
Victor Hugo."


As Baleias, Roberto Carlos, Erasmo Carlos

Não é possível que você suporte a barra
De olhar nos olhos do que morre em suas mãos
E ver no mar de debater em sofrimento
E até sentir-se um vencedor nesse momento.

Não é possível que no fundo do seu peito
Seu coração não tenha lágrimas guardadas
Pra derramar sobre o vermelho derramado
No azul das águas que você deixou manchadas.

Seus netos vão te perguntar em poucos anos
Pelas baleias que cruzavam oceanos
Eles viram em velhos livros
Ou nos filmes dos arquivos
Dos programas vespertinos de televisão.

O gosto amargo do silêncio em sua boca
Vai te levar de volta ao mar e a fúria louca
De uma cauda exposta aos ventos
Em seus últimos momentos
Relembrada num troféu em forma de arpão.

Como é possível que você tenha coragem
De não deixar nascer a vida que se faz
Em outra vida que sem ter lugar seguro
Te pede a chance de existência no futuro.

Mudar seu rumo e procurar seus sentimentos
Vai-te fazer um verdadeiro vencedor
Ainda é tempo de ouvir a voz dos ventos
Numa canção que fala muito mais de amor.

sábado, 18 de agosto de 2007

Perdoar



Temos de saber perdoar para podermos ser perdoados.

Perdoar é um saber conquistado à custa de lágrimas e de sacrifício… para que um dia alguém nos possa perdoar também.

Já perdoei, já fui perdoada, e esse sentimento nobre que liberta a alma de um fardo difícil de carregar é um bálsamo para as nossas feridas.

Por vezes pedem-nos perdão com palavras, outras apenas com um terno olhar envergonhado, um abraço, um beijo, silêncios que valem mais do que sons.

É assim que entendemos tantos momentos maus, afastados pela mão que agarra a nossa com carinho, com segredos que sabemos sem serem ditos.

É a Ti que hoje perdoo… e sigo contigo numa estrada de mil cores… neste deserto meu e teu.





E vai... de Xutos & Pontapés



Eles vieram cantar ao deserto.


Fui ao concerto com a Cat e o Zezinho. Quando tocaram os primeiros acordes desta música os dois sorriram para mim.


O resto já se sabe... dar corda aos sapatos e abanar o capacete!


Maria




Noites no deserto





Se eu te pudesse esquecer…

Talvez não quisesse fazê-lo…

Porque se o conseguisse…

Não poderia sorrir…

Sempre que me lembro de ti...

Dos teus olhos… da tua boca…

De Ti…



Se eu te pudesse esquecer…

Os meus dias seriam cinzentos...

Seriam vazios... e…

Não poderia sorrir...

Sempre que te “ouço”...

Aqui bem dentro… no coração…



Se eu te pudesse esquecer…

Não guardaria em mim o teu perfume…

O teu calor na minha pele...

Não poderia sorrir…

Nem recordar…

O teu riso… os teus beijos…

As tuas mãos no meu cabelo…

Que penteias com os teus dedos…



Se eu te pudesse esquecer...

Perderia as noites de estrelas...

Os olhares… os silêncios…

Perderia o que eu mais quero...

Estar contigo…



Tu…

Tu és…

Tudo o que eu jamais quero esquecer…




Adoro-te… príncipe das searas douradas...

Aux Champs-Élysées



Et on a chanté... tous les deux...

"Aux Champs-Élysées, aux Champs-Élysées,
Au soleil, sous la pluie, à midi ou à minuit,
Il y a tout ce que vous voulez aux Champs-Élysées..."






... c'est si bon... de s'aimer...



sexta-feira, 17 de agosto de 2007

Jellicle Cat



Há momentos na vida de uma mãe que valem tesouros.

Há um ano atrás, em Agosto, a Jellicle Cat foi para Floripa fazer a tese.

Três meses depois, terminada a mesma, colocou esta mensagem no meu hi5.

Mais do que os dezanove valores da classificação, mais do que o curso concluído… estas palavras são verdadeiros diamantes que brilharão eternamente na minha memória.




"Cat says:

Mãe!!! Acabei o curso... vou entregar a tese amanhã... ;)
Já te disse que dediquei a tese a ti e ao pai, mas nada do que eu digo lá é suficiente para vos agradecer o que vocês me deram e me ajudaram!!! Só quero que saibas que eu tenho a noção de tudo o que vocês fizeram por mim e pela Filipa!!! E se eu ando a cavalgar pelas dunas da praia de Moçambique, em Floripa, é porque tudo começou quando tu me fizeste a vontade de eu aprender a andar a cavalo!!! A partir daí sempre acreditaste nos meus sonhos e deste-me a força que eu precisei para chegar até aqui!

OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADAOBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA OBRIGADA....."




Faltava aqui qualquer coisa…


E o mais engraçado é que eu também sou adepta da Académica, desde muito nova, assim como do Belenenses e… claro…(!) do Portimonense, do Farense e de todos os clubes do reino dos Al-Gharbs.


Mas tenho de reconhecer… aquele amor… aquela paixão… aquele delírio…


… só o pode ter um… e mais nenhum…






Meu leão… meu herói… meu verde esperança…


Glitter Text - http://www.sparklee.com

glitter logo


Amo-te









Jasmim e Excelsior




Meus queridos amigos, Jasmim e Excelsior,


Os vossos comentários merecem um post, pela vossa paciência e pelas vossas palavrinhas doces. Vou-vos baptizar a “Turma da kakauzinha, da Jasmim e do Excelsior”, inspiração naquela BD “A Turma do Bolinha e da Luluzinha”.

Quanto ao meu último post, meus colegas de letrinhas, como vos entendo! ahahah!

Mas sabem aqueles dias em que de repente nos vêm à tola mil e uma coisas? Foi o que me aconteceu, sentei-me e despejei tudo, ou quase tudo. Quando encontrarem um testamento destes, melhor, um rolo de papel higiénico assim, só vos aconselho o seguinte... fujam! eheheh!

Só uma notinha em relação aos esoterismos, na realidade acredito mesmo que há algo que nos transcende e há três anos atrás, reencontrando o Fefas e em conversa telefónica chegámos ambos à mesma conclusão, que temos dias em que o nosso pensamento se funde, pese a distância, que durante mais de trinta anos “comunicámos”, daí que eu diga que nos une um “cordão umbilical”.

E se o astrólogo me disse que em Inglaterra está a chave da minha vida, dois anos depois o mestre em Quirologia de Al-Buhera vaticinou-me no futuro seis meses em Portugal e seis meses no estrangeiro.

Bem, pensei eu que talvez fosse algum estrangeiro com quem me engraçasse aqui no Al-Gharb, mas a resposta está numa linha que diz o seguinte: “Será fruto de um amor muito, muito, antigo, algo que foi “talhado no céu”, palavras dele. Disse-me que até ficou arrepiado. Como uma amiga minha já o conhece há anos, não encontrei razões para o classificar como charlatão. E uma parte do que me leu para o futuro aconteceu neste último ano (!).

Eu vou vivendo, dando a devida distância a estas conjecturas, mais preocupada com as bases para o dia de amanhã. O resto… está na minha caixinha dos sonhos… “que sera… sera…whatever will be…will be… ”.


Deixo-vos duas músicas, uma oldie e uma moderna.


Beijinho muito doce para ambos e um obrigada bem do coração pela vossa amizade.


.*.*.K.*.*.






Verão, Rentrée... e algo mais

Já me perguntaram várias vezes se já tinha ido ao Sasha. Mas é claro que… Não! Isto de ir a sítios onde as pessoas só vão para verem e serem vistas não entra no meu dicionário. Claro que uma discoteca na praia é sempre muito apelativa mas para mim tem de ser natural e não com ambientes “fabricados”. Por isso nem sequer me dei ainda ao trabalho de ir espreitar o estaminé, acho que nem vou, não há pachorra.

Agora o Nikki Beach é outra conversa, isso sim, aí é que eu gostaria de passar uma tarde naquela piscina espectacular e tomar um Martini no bar que tem no centro, com as jambes dentro de água. Estaria eu sentadinha a bebericar o meu M on the rocks e de repente sentiria ao meu lado alguém que me diria… Hi!… my name is Clooney… George Clooney… would you care for another round? (Eu contava-lhe a round que dava com ele ao bilhar grande, isso sim, com Nespresso à mistura e tudo o que tenho direito).

Pronto, depois deste momento de pura insanidade mental, voltemos à vida real e aos projectos para a Rentrée que são nem mais nem menos… muito trabalho e mais trabalho. Quero ter mais explicandos e isso vai-me dar muitas horinhas extra… com alguns benefícios económicos, como é óbvio.

O Boris, meu querido amigão (que também não sonha que tenho este espaço) farta-se de gozar comigo por causa do meu aluno ucraniano. Pensava ele que seria algum giraço trintão, alto e espadaúdo, louraço de olhos azuis, a quem estaria a dar grandes”lições”. Por acaso até corresponde, mas apenas na descrição física, na idade é que não porque tem apenas 15 anitos, ahahah! Muito se riu o meu Boris quando lhe disse isto, ficou com a certeza absoluta que as lições são única e exclusivamente de… português!

Se algum dia virem um BorisK no salão é ele, só tem licença para entrar com o “K” colado porque ele é meu, só meu e pronto, eheheh! Tenho de lhe dizer para dar cá um saltinho, já sei que fica logo todo derretido com este mel todo e vai-me dizer “Ai amor, só tu para me mimares assim!”. Andamos sempre de amor para cá e para lá, as nossas conversas no msn é tanto mel, tanto mel, que um dia destes ainda temos de ver os níveis de açúcar. Eu quero mesmo é que ele volte cá, preciso de lhe dar uns apertões, é tão querido! O nosso primeiro encontro na Praia da Rocha foi de filme, até chorámos os dois abraçados. E o melhor de tudo foi que nesse preciso momento começou a tocar “You’re beautiful” numa das lojas, a música que ele me tinha dedicado. Foi lindo!

Já agora tenho de mencionar também aqui o meu Luisinho, um dos meus melhores amigos. Uma noite entrou no salão para me beijocar e a troca de mimos era tanta que a tristoca só ria e a V@mpira dizia “Mas vocês são só amigos? Se isto é amizade vai lá vai!”eheheh! É sim, uma amizade muito bonita, as nossas conversas são de partir o coco a rir, ele é o meu Luisinho quido e eu sou a loura que ele mais adora, dá-me tantos elogios que por vezes tenho de me zangar. Ele também se zanga comigo porque nunca tenho um minuto para ir tomar um café com ele quando vou a Lisboa, mas o tempo é tão curto que é mesmo impossível. Mas um dia será, tenho de dar um abraço naquele gostoso e umas gandas beijocas.

Realmente os homens não são todos uns patetas, felizmente conheço vários que são um doce e posso dizer que tenho amigos deliciosos com os quais posso contar. Os que andam à caça é que é outra conversa, mas também vêm de carrinho e vão de trotinete. Enfim… pinóquios…

Bem, mas voltando aos benefícios económicos, se tudo correr como previsto penso que dará para cometer duas loucuras em 2008. A primeira é ir um fim-de-semana alargado a Londres com a minha queridíssima “mana” Lina, minha ex-colega de trabalho e a quem me une uma amizade de 17 anos. Foi a última pessoa a quem dei um abraço na véspera de vir para cá, mais do que amigas somos irmãs e quando ela me diz que a verdadeira família dela é a filha, a neta e eu choro sempre baba e ranho, um autêntico lençol de água.

E como ela nunca foi à terra da Tia Lilibeth serei eu a mostrar-lhe as maravilhas, toda contente. Também combinámos a passagem de ano para 2009 na Madeira, se a nossa vida for propícia, e se conseguirmos vai ser um espectáculo porque nenhuma de nós ainda lá foi. Ai, ai, projectos e sonhos a concretizar, é tão bom dar um baile à rotina!

Posto isto, depois do dia 27 lá terei que mergulhar a fundo no trabalho um e no trabalho dois para alargar os horizontes da carteira. Vamos se ver se multiplico os meus dois explicandos para mais alguns e se em 2009 também consigo iniciar o meu mestrado aqui em Portimon-Sur-Mer ou em Faro, veremos.

Mas antes disso penso que ainda serei Vovó Kakau, mais uma vez, em 2008, e já no fim deste ano talvez a Jellicle Cat volte com o Zezinho para cá. Já sonho com o regresso de ambos vindos do outro lado do mundo, espero que sim, que voltem mesmo e eu possa ter as minhas meninas todas cá.


Agora um dos acontecimentos desagradáveis deste Estio no deserto, ventoso comó caraças, é que me roubaram os faróis de nevoeiro. Quem o fez sabia muito bem o que estava a fazer e não houve mais estragos para além do fananço dos ditos cujos, mas se pudesse apanhar o cabrão garanto que quem ficaria mesmo “estragado” era ele! Bolas, nem sei que gozo podem dar dois farolitos pequenos, só mesmo por maldade porque acho que não custam para além dos 20 euros. Eu tenho cá as minhas desconfianças mas como não tenho provas não posso fazer nada, vou é ficar atenta para quando colocar uns novos e tomar mais precauções. Agora quem quiser ir à fronha do Piroso O Al-Merda vai ter mais trabalho porque eu cá tou de olho!


(Fiquei aqui a pensar na ida a Inglaterra… à ilha… fez-me lembrar “A Ilha do Tesouro” da Enid Blyton…porque é lá que está um dos tesouros da minha vida… sonhos salpicados de verde… neve… e mar… sonhos eternos… tenho de voltar ao meu oráculo de Al-Buhera para ver o que vaticinam os Deuses do Olimpo este ano, se me prometeram o que “está talhado no céu” têm de cumprir ou então dou-lhes cabo do estaminé, oh oh!).

(Fogo, isto por cá é tudo com um Al… ou é um Al que se lhe deu… até a Al…cagoita…eheheh!)

(Então sendo assim serei… Noor Al-Fefas… e ele Noor Al-Maria…)

(tradução: Noor = Luz; alcagoita = amendoim)


Agora por amendoim, gerou o meu nick Kakauette (do francês cacauette, oh la la!), assim baptizada pelo mano Portwine. Há tempos disse ao mano para ver o cartão que é todo dedicado a ele, como não podia deixar de ser! Disse-me assim: “És linda!”. Amei! Adoro o meu mano, ele também é lindo!


Mas ainda não cheguei ao fim, hoje tenho de despejar o saco porque estou com ligações esotéricas. Por isso vamos lá ao Espaço Esotérico:


Ed… o meu anjo italiano maravilhoso… que me dedicou uma música da 2ª Guerra e cuja letra, dizia ele, era uma premonição para a próxima vida em que finalmente nos encontraríamos em circunstâncias favoráveis para juntar duas almas tão parecidas, já que nesta me recusei a tentar. Não encontrei a original, do Benny Goodman e da Peggy Lee, mas fica esta versão… (com um beijo esotérico no teu coração que adoro e que desejo sinceramente feliz na nossa Lisboa. Irias sorrir tanto se me lesses... mas “sentirás” o meu beijo… e “lerás” as minhas letras… maybe We’ll meet again…)






Frederico… uma inteligência a perder de vista… um dos homens mais enigmáticos que conheci… consultou um vidente no Hawai que lhe disse que na vida anterior tínhamos sido marido e mulher e que nesta teríamos de resolver os nossos problemas. Não resolvemos coisa nenhuma, nunca estivemos juntos nem estaremos algum dia… a não ser que me venha bater à porta num rasgo de loucura, capaz disso era ele. Mas lá foi para terras de Sua Majestade… também!

(Bem me disse o António, um astrólogo e vidente muito intrigante, que a chave da minha vida está em Inglaterra. Nem ele sabia da missa a metade e quando me disse aquilo um dia, numa conversa de horas no msn, fiquei petrificada. Onde é que ele foi buscar Inglaterra ainda hoje estou para saber, como é que ele adivinhou também não sei, só me disse que “via”, pura e simplesmente. Esoterismos… ou então o clássico “no me creo en brujas… pero que las hay… las hay”!).


E para fechar os meus esoterismos amorosos esta é para o meu “Rei” esotérico, ligados por um “cordão umbilical”… do Al-Gharb… até à ilha de verde, neve e mar…



"BlogDay Cinco Estrelas"



Cá estão os 5 Blogs dos meus amigos.

Agradecimentos:

Excelsior
Jasmim

Para ambos um grande beijinho e um xi apertadinho.











Prémio blog 5 estrelas

1. Podem participar na votação todos os bloggers que mantenham blogs ativos há mais de um mês [os outros esperem por outra ideia brilhante que alguém irá ter].
2. Cada blogger deverá referenciar cinco nomes de blogs. A cada menção corresponde um 1 voto.
3. Cada blogger só poderá votar uma vez, e deverá publicar as suas menções no seu blog [da forma que melhor desejar], enviando-as posteriormente para o seguinte e-mail: elzinhalinda@gmail.com. No e-mail, além da sua escolha, deverão indicar o link para o post onde postaram as nomeações. A data limite para a publicação e envio das votações é dia: 27/08/2007.
4. De forma a reduzir alguns constrangimentos [e desplantes], e evitar algumas cortesias desnecessárias, também são considerados votos nulos:- Os votos dos blogger(s) em si próprio(s) ou no(s) blogue(s) em que participa(m);- Os votos no blog Nada pra mim.
5. Cada blog que for indicado ou indicar, deve conter de onde veio a origem do concurso, ou seja deverão manter um link para este blog (
Nada pra mim) afim de que outras pessoas possam conhecer a idealizadora da idéia.
No dia 31.8.2007 serão anunciados os vencedores

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

Entre duas terras




A minha Lisboa…muito amada… muito querida…

Minha Lisboa natal… meu berço… minha terra…

Saudades da luz… das colinas…do meu Tejo…

Um olhar de chuva… um sorriso… um passado…uma vida…














O meu deserto… o meu “hell”… o meu canto…

Meu refúgio… meu barlavento… meu futuro…

Um abraço… um segredo… um desejo…

Um sueste… um vento quente…… o meu Arade…

O azul do mar… do céu… do meu Al-Gharb



~~~~~~ ...~~~~~~


Para lá do Al-Gharb há uma ilha,
Bordada de verde, neve e mar,
Que o meu coração perfilha,
Para o meu sonho alcançar.

.*.*.K.*.*.




Um dia no futuro




~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Hoje guardo um pedacinho de ti…
Do que ontem quis, do que ontem foi…
Para amanhã me lembrar sorrindo…
Que foste meu por uns instantes…
Na brevidade de um ínfimo espaço…
De um tempo que se contou pelos dedos…

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Talvez um dia lá longe possa recordar…
Feliz… que passaste pela minha vida…
Sentindo-te ainda na minha alma…
Sabendo que gostei de gostar de ti…
Assim como eu sei… tanto… tanto… tanto…
De olhos fechados… ouvindo aquela música…
“Só tu sabes o que ainda te seduz…
Só tu sentes o que poderá ser…”
Perdida em memórias de um mundo só meu…

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Mas hoje ainda é hoje…
E eu quero viver o que há para viver…
Nas espirais do tempo…

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~


terça-feira, 14 de agosto de 2007

Vaticínio

O que eu sinto por ti



Está escrito nos livros da paixão
Não foi inventado, sempre existiu
Nasceu das notas de uma música
E cresceu numa noite fria de nevoeiro
Num deserto que é tão meu quanto teu


O que eu sinto por ti

É uma gota de chuva
É um raio de Sol
É uma estrela cadente
É uma estrada de mil cores


O que eu sinto por ti

É tão real quanto tu e eu
Sentido num momento de uma noite
Embalada em sorrisos e olhares
Num doce encantamento de azul

O que eu sinto por ti

Tem o som das tuas palavras
Sussurradas ao meu ouvido
As minhas mãos no teu rosto
Os teus braços enleando o meu corpo


O que eu sinto por ti

Tem o sabor dos teus lábios
Colados aos meus numa dança de mel
Num desejo de mais e mais

O que eu sinto por ti

Tem um nome
Que a negra realidade hoje me impõe
Vaticinando um cruel e certo amanhã
Mas deixando-me voar por um segundo
Na fantasia do “Sonho de uma noite de Verão”
Onde ficarás tatuado com a cor do mar do sul
E com o sabor a sal de uma lágrima
Sentida e chorada com o gelo do adeus.